Município de Progresso frustra o Consorcio de Saneamento do G8

      Varias vez critiquei a postura da AMVAT por não ter um corpo técnico para debater e planejar o saneamento com o propósito de buscar os recursos disponíveis a nível federal.

     Quando o G8 através do ex presidente  e ex prefeito de Santa Clara do Sul Paulo Cezar Kohlrausch, colocou na pauta do Grupo dos Oitos Municípios Emancipados de Lajeado a prioridade  em  saneamento publico e contratou a empresa Lógica Ambiental para elaborar o Plano de Saneamento Básico, elogiei a atitude e acreditei que o assunto seria levado adiante.

     Mas infelizmente houve um deslize na trajetória, interesses particulares de pessoas ligadas a administração do Município de Progresso, foram contra a criação do Consorcio Público para criação de uma usina de reciclagem dos resíduos sólidos domiciliares.

     Infelizmente prevaleceu o interesse de uma pessoa que atua na administração e que até pouco tempo era sócio de uma empresa familiar do ramo de limpeza pública.

     Esta situação levou os municípios de Progresso e Boqueirão do Leão a colocar o lixo em uma propriedade não licenciada para atividade por esta empresa, com autuação pela PATRAM os dois municípios estão levando o lixo para ser reciclados em uma usina de reciclagem de Barros Cassal.

     Os administradores antes de colocarem o interesse público a disposição de companheiros deveriam pensar na sua responsabilidade com o Meio Ambiente.

Deixe seu comentário