Veja como funcionaria a esperteza, se a juíza não suspendesse o edital dos ônibus.

passagem preçA juíza Carmen Barghouti da comarca de Lajeado, suspendeu na quinta-feira, o processo licitatório relativo à concessão do transporte coletivo urbano do município de Lajeado, acatando argumento de duas empresas, considerando   haver  violação aos princípios da legalidade  e ampla competitividade.

Esta manobra do governo de Lajeado já foi denunciada neste site há alguns meses, acontece que para beneficiar uma empresa da região do Vale do Rio Pardo, administração de Lajeado já tentou por varias vezes suprimir  duas leis municipais, só que para ser extinta  necessita de dois terços dos votos dos vereadores.

Na  sexta feira retrasada o prefeito convocou uma reunião extraordinária da Câmara de Vereador na tentativa novamente de suprimir a lei, o prefeito Schmidt passou vergonha, por que  os 14 vereadores  presentes a votação foram todos contra o objetivo do prefeito, inclusive os  do PT, PMDB e PDT.

Como se daria o golpe, o processo licitatório  seria avaliado exclusivamente pelo aspecto do menor  preço  da tarifa a ser cobrada dos usuários, o direcionamento sedaria  pela proposta de tarifa bem mais baixa que a estipulada no edital, como a empresa do Vale do Rio Pardo possui um potencial econômica maior que as empresas de Lajeado, ela suportaria  o preço abaixo do custo até acontecer o primeiro reajuste,  no primeiro reajuste  da tarifa o prefeito por decreto aumentaria a passagem para o preço real, não obedecendo a votação do  CONTRAM, da mesma formula que Schmidt fez com o estacionamento rotativo, aonde  o prefeito Schmidt não acatou os 10% votado pelos membros do  CONTRAM e por decreto subiu a tarifa do estacionamento rotativo em 33%.

Você  sabe porque Schmidt gosta tanto de beneficiar as empresas que não são de Lajeado?

Deixe seu comentário